3 de julho de 2012

Doenças Tropicais: Dengue

Continuando a série Doenças Tropicais, publicada semanalmente na coluna de sáude do Blog Conexão Social, hoje falaremos sobre a Dengue. Próxima semana será falado sobre a Esquitossomose.

Ronielson Lima







A dengue é uma doença infecciosa viral (virose), ocasionada pela infecção do Flavivírus transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Afeta mais de 100 países no mundo, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) mais de 50 milhões de indivíduos são infectados por ano, com 500.000 casos de dengue “hemorrágico” e 20.000 mortos a cada ano.

Os primeiros registros da doença datam do fim do século XVIII, em Java (sudoeste asiático) e na Filadélfia (Estados unidos), mas o transmissor (mosquito) foi reconhecido pela primeira vez no Egito – daí seu nome. No Brasil os primeiros casos de dengue datam do período colonial, o mosquito chegou ao Brasil nos navios negreiros, onde se reproduzia nos depósitos de água.Em 1865, descrito o primeiro caso, na cidade do Recife e a primeira epidemia ocorreu em Boa Vista (RR) entre 1981-1982.

Aedes aegypti (vetor)

O vetor é o ser responsável pela transmissão de alguma doença, no caso dadengue é a fêmea do mosquito Aedes aegypti, que apresenta tamanho Pequeno (menos de um centímetro) é preto com manchas brancas no dorso, pernas e cabeça e tem hábitos diurnos, costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde evitando o sol forte, mas pode atacar a qualquer hora do dia em locais sombreados, como dentro de casas.

Apenas a fêmea, se alimenta de sangue (hematófaga), mas só depoisdo acasalamento, pois ela precisa de uma proteína presente no sangue (a Albumina) para a maturação dos seus ovos. O macho alimenta-se de néctar e sucos vegetais e a fêmea também (antes do acasalamento).

Aedes aegypti (mosquito fêmea)

Aedes aegypti – Ciclo de vida

O tempo de total de duração do ciclo varia de 6 a 13 dias, dependendo das condições climáticas, quanto maior for a temperatura ambiente menor será o tempo para a conclusão do ciclo.

O ciclo é dividido nas seguintes fases:

Acasalamento – Ocorre poucas horas após tornarem-se adultos.

Postura – Após alimentar-se de sangue, dentro de 2 ou 3 dias os ovos estão maduros e a fêmea faz a postura, depositando-os próximo à superfície da água. No momento da postura os ovos apresentam cor clara, mas rapidamente adquirem a cor escura e brilhante.

Larvas – Após a eclosão dos ovos surgem as larvas, fase de alimentação e crescimento, alimentam-se da matéria orgânica presente na água. Essa etapa dura de 3 a 7 dias.

Pupa – Fase imóvel, ocorre a metamorfose da fase larval para a fase adulta.
Mesmo depois que os ovos completam o seu desenvolvimento, podem sobreviver mais de um ano em local seco, foi observada a eclosão de ovos com 450 dias, quando colocados em contato com a água. 

Ciclo de vida do mosquito transmissor da dengue


Água limpa

No diz respeito ao termo água limpa, para o mosquito é aquela que não contém esgoto, fezes ou produto químico. A água pode ter terra, barro ou qualquer outro material orgânico, mas para o mosquito ela é limpa e quanto mais matéria orgânica melhor para o seu desenvolvimento.

As formas de dengue

Existem duas formas de dengue: a Clássica e a “Hemorrágica”. Na verdade as duas formas são hemorrágicas, as manchas vermelhas que aparecem na pele (no caso da dengue clássica) são pequenas hemorragias.
O termo “hemorrágica” é usado para definir a forma mais grave da doença, onde acontece grandes hemorragias internas.

Dengue Clássico

Os sintomas são: Febre alta e súbita; Cefaléia (dor de cabeça); dor atrás dos olhos; Fadiga muscular e fraqueza; dor muscular intensa e generalizada; dor nas articulações mais comum em mulheres; Petéquias e exantemas (manchas vermelhas) que aparecem no 3º ou 4º dia; náuseas; vômitos; falta de apetite e diarréia.

Tratamento: combate aos sintomas, com antitérmicos e analgésicos; reposição líquida e repouso.

Dengue “Hemorrágico”

Sintomas: todos os sintomas do dengue clássico; grandes sangramentos em vários locais (pulmões, aparelho digestivo, cavidade toráxica).

Tratamento: combater os sintomas com antitérmicos e analgésicos.
Casos mais graves de dengue hemorrágica exigem internação e reposição líquida, para repor a perda de sangue. Na maioria das vezes a dengue hemorrágica ocorre quando uma pessoa contrai a doença pela segunda vez.

Importante!

As pessoas que apresentam dengue, não deve tomar medicamentos à base de Ácido acetilsalicílico (AAS).

 
Como o vírus da dengue age no organismo
Vírus da Dengue

A dengue é uma doença Causada por um Arbovírus (termo genérico que se refere aos vírus que são transmitidos por insetos), do gênero Flavivírus e são conhecidos quatro tipos: DEN 1, DEN 2, DEN 3 e DEN 4. O tipo1 (DEN1) causa a forma menos grave da doença e o DEN2 é o mais intenso. O vírus fica localizado nas glândulas salivares do Aedes aegypti, antes de sugar o sangue a fêmea injeta uma substância produzida nas glândulas salivares que tem efeito anticoagulante e anestésico, ou seja, na maioria das vezes a pessoa não sente quando é picada, e nessa substância estão presente os vírus, que entram na corrente sanguínea.
Quando uma pessoa contrai um dos tipos de vírus da dengue, após cura-se fica imune aquele tipo que contraiu, se ela contrair dengue pela segunda vez é ocasionada por outro tipo do vírus. Se um indivíduo contrai dengue pela segunda vez pode desenvolver a forma mais grave da doença “Dengue Hemorrágica”. Isso ocorre porque o organismo desenvolve o quê podemos chamar de “Memória imunológica”, e quando se contrai a doença novamente o organismo tem uma reação “exagerada”, que provoca a gravidade da doença.
 
A dengue no organismo humano

 A infecção pelo Flavivírus se dá pelas seguintes etapas:
  1.  O mosquito infectado pica o homem;
  2. Vírus atinge a corrente sanguínea, se instala no baço, fígado e tecido linfático, onde se multiplica;
  3. Um dos locais preferidos do vírus para se instalar no corpo humano é o tecido (parede) que envolve os vasos sanguíneos (veias e artérias), chamado de retículo-endotelial;
  4. Após a incubação de 2 a 7 dias volta à corrente sanguínea onde se instala no endotélio onde ocorre a inflamação dos vasos sanguíneos. O sangue com isso, circula mais lentamente; 
  5. Como a circulação fica mais lenta, é comum que os líquidos do sangue extravasem dos vasos, provocando hemorragias, com o sangue ficando mais espesso; 
  6. O sangue mais espesso, pode coagular dentro dos vasos (veias e artérias) provocando trombos (entupimentos), é por isso que pessoas com histórico de doenças cardíacas podem ter infartos. A circulação lenta prejudica a oxigenação dos órgãos, por isso as pessoas sentem fraqueza; 
  7. Com o tempo, se não houver tratamento específico, pode haver um choque circulatório. O sangue deixa de circular, os órgãos ficam prejudicados e podem parar de funcionar e isso pode levar à morte.

Porque não se deve usar ácido acetilsalicílico ?

Não se deve usar medicamentos à base de ácido acetilsalicílico como Aspirina, pois esse composto diminui o número de plaquetas (responsável pela coagulação do sangue) com a quantidade de plaquetas diminuída as hemorragias se tornam maiores, agravando o estado do paciente.

Segue uma lista de medicamentos à base de ácido acetilsalicílico:




Como combater o Aedes aegypti

* Evite deixar plantas em vasos com água, substituindo a água por terra;
* Troque semanalmente a água dos vasos das plantas e lave com uma escova ou pano os pratinhos que acumulam água;
* Lave as jarras de flores para eliminar os ovos dos mosquitos que ficam grudados nas suas paredes;
* As latas vazias devem ser furadas antes de serem jogadas fora, para não acumular água;
* As garrafas vazias devem ser guardadas de boca para baixo, pelo mesmo motivo anterior;
* Lave os bebedouros dos animais com escova ou bucha e esvazie-os à noite, sempre que possível;
* Pneus velhos devem ser mantidos em lugares cobertos, para não acumular água da chuva;
* Os poços, tambores, caixas d´água, cisternas e outros depósitos de água devem estar sempre tampados;
* O lixo caseiro deve estar ensacado e posto à disposição da limpeza urbana nos horários previstos;
* Abrir as janelas de sua casa quando o fumacê passar.

Acesse as outras postagens da série:

4- Doenças Tropicais: Dengue

 
Referências:





Zeildler J. D; et al; Vírus dengue em larvas de Aedes aegypti e sua dinâmica de infestação, Roraima, Brasil; Revista Saúde Pública; v.42, n.6; Dez. 2008 Epub 03-Out-2008.

Figueiredo L. T. M; Patogenia das infecções pelos vírus do dengue; Simpósio: Virologia Médica; Mar. 1999.

Serufo J. C; et al; Dengue: uma nova abordagem; Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; vol.33, n.5 Sept./Oct.2000.
 
Revista saúde pública v.42 n.6; São Paulo dez. 2008

Site do Ministério da saúde


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário