5 de dezembro de 2012

Porque ser a favor de cotas sociais?

Na semana passada postei um artigo sobre os principais pontos da nova lei de cotas aprovada no Congresso Federal e essa semana argumento favoravelmente as cotas sociais.




O Censo Escolar 2010 realizado pelo IBGE aponta, por exemplo, que o Brasil tem 51,5 milhões de estudantes matriculados na educação básica, sendo 43,9 milhões, estudantes das redes públicas (85,4%). Do número total de alunos que frequentam o Ensino Médio, o Censo mostra que 50,9% deles são pretos ou pardos. No ensino superior público – que possui as mais conceituadas universidades do país - 87,4% dos estudantes são oriundos de escolas particulares. Pretos, pardos e índios variam conforme o estado. Interessante não? A imensa maioria dos estudantes matriculados no ensino básico estudam na rede pública, mas, essa lógica se inverte ao chegar no nível superior público, porque os estudantes de escola pública não conseguem entrar na universidade pública? 


Leia mais:
A nova lei de cotas do Brasil

A resposta todos já sabem, é a conhecida má qualidade da educação pública brasileira. Aí o leitor se pergunta, então não está certo quem diz que deveriam investir pesadamente em educação pública, para que não precisem de cotas para ingressar na universidade pública? Eles estão certos, porém, escondem uma parte do problema, não se melhora um ensino público tão ruim do dia para a noite, necessitaria de mais de uma década e ainda de pesado investimento público.

E porque não se investe pesadamente em educação no Brasil? Por culpa da própria sociedade! Qualquer político sabe que eleitoralmente é melhor calçar uma rua, fazer um asfalto, uma obra em geral, do que se investir em educação. Existem até alguns estudos que indicam que a maioria dos pais de alunos de escola pública aprovam a qualidade da escola, agora porque isso? Porque muitos desses pais nem estudaram direito, não tem referência de escola de qualidade, por isso, não cobram uma melhoria do ensino para seus filhos.

Então porque se investir em pesadamente em educação se a sociedade valoriza mais outros investimentos?

Vemos muitos estudantes de escolas particulares protestando contra as cotas com o argumento de que isso é "politicagem com as nossas vagas"  e que os políticos deveriam melhorar o ensino público, mas, como assim politicagem com as nossas vagas? Aí entra um argumento muito interessante que li mas, não lembro o autor; que no Brasil a elite brasileira, que estuda nas escolas privadas, já tem cotas garantidas nas melhores universidades do país devido a melhor qualidade das escolas onde estudam, a prova disso é que eles se consideram "donos das vagas". Por isso, vemos eles lutando contra as cotas com argumento de melhoria da escola pública, mas, para eles o sistema atual é ótimo, pois, estão com vaga “quase” garantida na universidade pública brasileira. Não acredito nem que realmente queiram uma melhoria do ensino público e se quiserem, querem que melhore, mas, não a ponto de que suas vagas nos “cursos mais rentáveis” estejam em perigo, assim, se perpetuam na elite brasileira, sem dar "espaço" para os mais pobres.

Artigo onde faço um breve relato de alguns fatores que contribuíram para marginalização dos negros nos últimos cem anos (depois da abolição):

Cotas Raciais: Síntese da abolição até os dias atuais

Os defensores exclusivamente de cotas sociais ainda questionam dois pontos sobre as cotas raciais, um deles é como diferenciar duas pessoas pobres simplesmente pela cor da pele (no início também concordava com esse argumento) e a dificuldade de se comprovar a questão racial, pois, só precisa se autodeclarar como preto, pardo ou índio (já falei sobre esse ponto no último artigo) e ter cursado nível médio em escola pública para concorrer nas cotas raciais para o ensino superior.

Recomendo a leitura:


Sou favorável a adoção dessas duas políticas públicas (cotas raciais e sociais) para diminuição das desigualdades sociais no nosso país (que diminuíram muito, mas ainda somos um dos países mais desiguais do mundo).

Quem me conhece sabe que para mim é muito difícil ser sucinto nos argumentos, iniciei esse artigo para fazer uma defesa das cotas em geral, mas, estava ficando um pouco longo, e resolvi fazer a defesa das cotas raciais no próximo artigo.

E vocês acham mesmo que a elite brasileira quer a melhoria do ensino público a ponto de a qualidade ser parecida com a do ensino privado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário